Livro X Filme: Como eu era antes de você

como

Como acho que já disse anteriormente, eu havia lido o livro pela primeira vez há bastante tempo, e ele tornou-se um de meus preferidos. Em consequência, Lou é uma das personagens literárias que mais gosto, por isso meu temor quando soube que haveria uma adaptação do romance para o cinema, principalmente porque tenho minhas reservas com relação ao talento da atriz Emilia Clarke (me desculpem fãs!).

Assisti ao filme uma semana depois da estreia e já tendo passado toda a comoção. Li muitas críticas, evitando algumas para não perder o efeito surpresa, e por fim, após finalmente ir ao cinema preciso reafirmar aquele velho lema de que “o livro é sempre melhor que o filme”.

Não quero falar mal do filme, muito pelo contrário, ele me agradou bastante – com destaque para a atuação de Sam Claflin, afinal não deve ser fácil atuar na pele de um tetraplégico tão cheio de nuances e temperamento como é o personagem de Will Traynor. Mas a adaptação do roteiro infelizmente deixou a desejar. Algumas tramas importantes do livro, em minha opinião, foram pouco ou não abordadas: a forma como Lou é sempre desmerecida pela família perante a irmã mais inteligente; a própria Treena que é tão citada no livro teve poucas aparições no filme; o desemprego do pai de Lou, que joga sobre a personagem a responsabilidade financeira da família, a relação de Lou e Patrick (destaque para Matthew Lewis, ex Neville Longbotton da saga Harry Potter) que é bem mais complexa, com muitos abusos psicológicos por parte do namorado – e seu término acaba causando os problemas judiciais e a repercussão na imprensa sobre a morte de Will (também não abordados); a infidelidade do Sr. Traynor (Charles Dance, interprete de Tywin em Game of Thrones); a relação conflituosa entre o casal Traynor e como o marido recusa-se a encarar o desejo do filho (algo que foi completamente invertido no filme); e, principalmente, o estupro de Lou e como ele afeta sua personalidade, e até mesmo a forma de se vestir da personagem.

A exclusão de alguns personagens é algo comum em adaptações para o cinema, mas neste caso me incomodou. Os questionamentos feitos pela irmã de Will e a forma como a menina julga Lou, a presença da amante do Sr. Traynor como personificação de sua infidelidade e até mesmo uma melhor explicação sobre a debilitada saúde do avô de Louisa e a relação com ele, deixaram algumas lacunas que, para o expectador que ainda não havia lido o livro, ficaram abertas e mal explicadas. A relação entre Lou e Camilla – cujos diálogos eram muitas vezes necessários para que o desejo de Will seja compreendido – também foi pouco explorada, e a transição da relação entre Lou e Will, feita de forma brusca, não demonstrando a crescente confiança e cumplicidade que é construída entre os dois.

Concluindo, em geral a relação de amor entre os personagens foi muito focada e outros pontos relevantes, ignorados. Talvez fosse necessária mais meia hora de filme para que este romance, tão rico de detalhes e sentimentos, fosse contado de forma mais fiel e completa (mesmo que alguns diálogos do livro tenham sido reproduzidos integralmente). Mas, Como eu era antes de você não deixa de ser um filme agradável, com toques de humor e cenas emocionantes – que ressalto: não atingem o nível do livro e nem emocionam como tal.

Para quem quiser conferir, ele está em cartaz nos principais cinemas de todo o país.

Ps. Eu estava certa em ter medo da atuação de Emilia Clarke; a cena em que ela e Will discutem nas Ilhas Maurício (aliás, algo que também não foi abordado no filme) foi difícil de assistir. Alguém precisa contar pra essa moça que mexer loucamente as sobrancelhas não significa expressar tristeza ou desespero.

 

2 pensamentos sobre “Livro X Filme: Como eu era antes de você

  1. Meu Deus, você resumiu tudo que achei quando vi o filme!!! Amei a atuação do Sam mas a “Lou” deixou muito a desejar! A única coisa que fazia era mexer as sobrancelhas numas caretas horríveis e de principiantes. Achei o filme muito superficial em comparação com o livro, mas se não tivesse lido a obra, teria achado bem legal e docinho.

  2. Acho q o filme contou o q tinha q contar.
    Muitas pessoas tem “preguiça” de ler e acabam só indo ver o filme , e ainda dublado… rsrs
    Quem quiser saber tudo sobre a história que leia o livro.
    Simples assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *