Resenha: Férias, Marian Keyes

ferias

“Ninguém pode nos fazer sentir coisa alguma… Nossos sentimentos são responsabilidade nossa.”

Férias, de autoria da escritora irlandesa Marian Keyes, pode até ter seus momentos “tragicômicos”, mas em nenhum momento se aproxima do título que carrega. Trata-se de um livro denso, difícil, e que aborda um dos maiores males da nossa sociedade: vícios.

A história começa quando Rachel, a irmã do meio da família Walsh (já conhecida no livro Melancia), sofre uma overdose de remédios e drogas em Nova York, onde mora com a melhor amiga Bridget. Diante da exposição da gravidade de seu vício, Rachel é obrigada pela sua família a retornar à Irlanda para tratar-se no centro de reabilitação chamado Claustro.

Apesar das evidências da gravidade do mal que sofreu, Rachel recusa-se a reconhecer que tem um problema e insiste que tudo não passou de um terrível engano. Para ela, seu uso constante de drogas de diferentes tipos não passa de algo recreativo, por mais que suas relações interpessoais e profissionais demonstrem exatamente o contrário; algo que inclusive prejudica e finda seu relacionamento com o namorado, Luke.

Mantendo-se em um estado de constante negação, Rachel não cria objeções à sua internação no Claustro, pois acredita estar indo para um spa cheio de celebridades e luxos. Mesmo já dentro do estabelecimento, projeta a fantasia onde encontrará pessoas famosas em outro setor diferente do seu, que acredita estar passando por obras devido às simplórias condições.

Como não se considera uma dependente química, Rachel sente-se superior aos outros internos, que possuem os mais diversos vícios (álcool, jogos, comida). Porém, aos poucos, a personagem vai se afeiçoando às pessoas e criando uma espécie de vínculo com elas – mesmo que ainda não reconheça sua condição de toxicômana.

Em uma estratégia inteligentíssima da escritora, acompanhamos em paralelo com sua estadia no Claustro, flashbacks do passado de Rachel. Neles, conhecemos sua personalidade (e extrema falta de autoestima), seus relacionamentos amorosos (incluindo Luke), a complexa amizade com Bridget e o agravamento de seus vícios – e suas respectivas consequências.

Durante as sessões de terapia em grupo no Claustro, Rachel passa a reconhecer a raiz das suas inseguranças agravadas por questões familiares, e a forma como usava drogas para não lidar com elas. A aceitação de sua condição de dependente química, e o reconhecimento de seu comportamento negativo, ocorre somente quando é duramente confrontada por Luke e Bridget. E é a partir deste momento que a personagem realmente dedica-se ao seu processo de reabilitação, amadurecendo e ganhando novas perspectivas e valores.

Mesmo disposta e focada em mudar, ao sair do Claustro, uma sequência de acontecimentos levam Rachel a ter uma recaída. Este episódio será essencial para que a personagem conclua alguns assuntos em aberto, e sinta repulsa por sua antiga rotina e seu vício, ganhando “novo fôlego” para permanecer sóbria.

Parte do processo de “cura” da personagem consiste em perdoar, se perdoar e pedir perdão para as pessoas que magoou. Nesta busca, Rachel retorna a Nova York em busca do perdão do Luke.  O final, de certa forma piegas, oferece conforto diante de toda a dura realidade exposta no livro; e também dá “ares de esperança” para a protagonista e os leitores que, por algum motivo, identificam-se com ela.

Concluindo, Marian Keyes trata a questão das drogas de forma honesta, sem floreios, abordando a fundo causas e consequências do problema. É importante ressaltar a constante preocupação da autora em “quebrar” estereótipos, mostrando que o vício é uma doença que pode afetar todo o tipo de pessoa, independente de idade, gênero, raça ou condição social. Férias é aquele livro que simultaneamente entretém, informa e faz pensar.

 

13277947_1138224019577971_16695235_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *