Resenha: A Escolha, Kiera Cass

a escolha

O volume final da trilogia A Seleção, escrita por Kiera Cass, tem seu início marcado por inúmeras tramas em aberto, e principalmente, pela difícil “reconstrução” do relacionamento de America e Maxon. O príncipe não consegue voltar a confiar na protagonista (chegando a destrata-la em alguns momentos), que se torna cada vez mais desesperada para reconquistá-lo.

A trama que envolve a Guerra entre rebeldes e realeza ganha maior destaque, com o nascimento de uma aliança entre Maxon e os Rebeldes do Norte, contra os violentos Rebeldes do Sul. Algumas informações ficam mais claras para o leitor, como o fato de os rebeldes possuírem um informante dentro do castelo. Mais confiante, America atuará diretamente neste cenário, promovendo encontros e utilizando-se de seus contatos para ajudar a causa.

A perseguição do Rei com America intensifica-se, já que no final do volume anterior o mesmo deixa claro que fará o que for possível para dificultar a estadia da jovem na competição, impedindo-a de ser a escolhida. A menina será testada inúmeras vezes, e das formas mais severas possíveis.

Diferente dos outros dois volumes, este livro tem um ritmo bastante desequilibrado, que acaba sendo desagradável. Alguns acontecimentos “chave” da história são narrados com extrema rapidez, tornando-se confusos; já outros capítulos são dedicados inteiramente às exaustivas divagações de America.

Outro ponto que o livro ensaia um desenvolvimento, mas não se aprofunda, é a relação da protagonista com a Rainha. Os diálogos entre as duas personagens precisava de mais conteúdo, mostrando melhor a personalidade da Rainha, o que não acontece.

Aliás, o último volume da série, como já foi dito, começa com inúmeras tramas interessantes a serem desenvolvidas, e termina lotado de pontas soltas e passagens sem sentido no contexto geral da história. Caso a leitura da série seja feita em sequência, não fica muito difícil reconhecer os “buracos” no enredo. Vários são os momentos em que o leitor percebe a superficialidade com a qual alguns acontecimentos são tratados, e fica uma sensação de que havia mais a ser contado.

Os desfechos dos personagens são fracos; em determinado ponto parece que a escritora mata alguns personagens e/ou une outros pelo simples fato de não saber o que fazer com eles. Mesmo entre os protagonistas, o “vai-e-vem” emocional fica cansativo, e o “gran finale” prometido ao longo de toda a saga, pobre. Ficaram faltando passagens, diálogos, conflitos que não aconteceram – o que explica a existência dos livros spin-offs. Claramente havia a necessidade de explicar melhor algumas tramas e relações.

Concluindo, de toda a trilogia, infelizmente o último volume é de longe o mais fraco e decepcionante. Começou com altas expectativas, com material para um desfecho épico, que não acontece. A leitura é válida como um todo, a história é instigante, os personagens interessantes e o enredo empolga, mas em A Escolha a escritora infelizmente não consegue manter a mesma qualidade dos livros anteriores.

————————————————————————————————————————————-

Nota da Leitora Dinâmica: É frustrante quando o leitor apega-se a uma história, e ganha um desfecho como o último volume da trilogia A Seleção. Ficou uma sensação de que a escritora terminou a história porque precisava fazê-lo, sem pensar muito no contexto geral, deixando o texto ora entediante, ora confuso, devido à quantidade de eventos simultâneos. Esperava muito de alguns personagens e principalmente de algumas relações a serem exploradas, como por exemplo, um vínculo “mãe e filha” entre America e a Rainha, algo ensaiado várias vezes e que não é aprofundado. O livro promete, mas não cumpre – o que é uma pena.

 

13278131_1138223646244675_2000330609_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *