Resenha: O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, Ransom Riggs

O_ORFANATO_DA_SRTA_PEREGRINE__1439930389277440SK1439930389B

Esta é uma resenha crítica.

De acordo com a sinopse do livro, encontrada no site da editora Leya, O Orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares trata-se de “Uma fantasia arrepiante, ilustrada com assombrosas fotografias de época,… vai deliciar jovens, adultos e qualquer um que goste de uma aventura sombria”; porém, caso você tenha acompanhado o Leitora Dinâmica nas últimas semanas, percebeu a dificuldade que eu tive em finalizar esta leitura e minha teimosia em não abandoná-la. Mais uma vez, peço desculpas aos fãs da série, mas preciso expor minha sincera opinião.

O enredo conta com elementos interessantes, como: drama familiar, reverberações da 2ª Guerra Mundial, viagens no tempo, elementos de fantasia, romance juvenil, suspense, perseguições e fotos reais e curiosas. Com tudo isto, a expectativa ao iniciar a leitura é encontrar um enredo movimentado e instigante certo? Mas, infelizmente, isto não acontece.

O livro pode ser dividido “bruscamente” em duas partes: antes e depois do personagem principal, Jacob, chegar à Ilha. A primeira parte é composta por um ritmo tão lento, com detalhes insignificantes tão minuciosamente descritos, que a sensação é estar lendo em “looping”. Ao mesmo tempo, ganchos importantes na história, como os relacionamentos do protagonista com seus familiares e amigos, e até a personalidade do garoto, são descritos de forma superficial – com exceção da relação com o avô.

Durante a “primeira parte da história” eu pensei em desistir do livro diversas vezes; o enredo não despertou minha curiosidade e não criei empatia por nenhum personagem. Mas, muitos me disseram para insistir, que após a chegada de Jacob à Ilha, o ritmo seria outro. De fato o ritmo melhora, mas fica longe de prender a atenção; a escrita extremamente minuciosa do autor, confusa em muitos momentos devido à quantidade de detalhes, permanece.  E o elemento-surpresa em torno do psiquiatra de Jacob, mostra-se muito previsível cedo demais.

Alguns pontos críticos da história ficaram mal ou não explicados satisfatoriamente. O elemento-surpresa em torno do psiquiatra de Jacob mostra-se muito previsível cedo demais. A personagem da Srta. Peregrine, cujo nome está no título da obra, é pouco aprofundada, com suas aparições resumidas sempre a diálogos com Jacob, ou interações com outro grande número de personagens – não permitindo ao leitor construir uma imagem concreta da mesma (por mais que o autor dedicasse linhas e mais linhas à sua descrição física).

Terminei a leitura por teimosia e sem vontade alguma de ler os volumes seguintes – apesar do inteligente gancho ao fim da história. A obra tem seus pontos altos, claro, como as “peculiares” fotos de época (reais, por sinal) que amarram e ilustram todo o enredo. Uma estratégia muito criativa por parte do autor.

Por outro lado, acredito que o fator que mais tenha contribuído para minha insatisfação, tenha sido a dedicação de Riggs ao descrever muito detalhadamente caraterísticas físicas dos seus personagens e lugares nos quais a história se desenvolve, e pouca atenção à personalidade dos mesmos – o que não me permitiu criar vínculo nem com eles, nem com a história. Em muitos momentos minha sensação era de estar lendo uma história escrita para ser adaptado para os cinemas (o que aconteceu, aliás) algo que me incomodou bastante.

Gostaria de deixar claro que gosto do gênero, mas me agrada muito quanto consigo ter um envolvimento emocional com os personagens. Traçando um paralelo com Harry Potter, apesar da enorme – e necessária – descrição do lugar, casas e personagens da história, J. K. Rowling provoca diversas emoções no leitor. Torcemos por Harry, sentimos raiva seguida de compaixão por Snape e sofremos com o fim de Dumbledore. E isto se deve ao fato da autora não caracterizar os personagens apenas fisicamente, mas emocionalmente também, em toda sua glória e defeitos. Pessoalmente, O Orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares, deixou a desejar neste nível de complexidade e empatia, o que foi uma pena, pois se trata de uma história com muito potencial.

13278073_1138223622911344_87800801_n

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *