Netflix e os seus acertos nas novas produções “teen”:

As formulas dos filmes voltados para o público “jovem” já estavam mais que batidas e isso não é novidade para ninguém. Percebendo a falha neste nicho, a Netflix sabiamente lançou recentemente algumas produções excelentes, que merecem ser citadas por suas diferenças com a clássica historinha da cheerleader loirinha se apaixona pelo jogador famoso do time e depois de lutarem contra alguma ex namorada vilã, têm sua tão esperada 1a “noite de amor”.

Neste post vou falar de três delas que eu gostei bastante pelos roteiros com pontos principais nada óbvios:

  • Doce Argumento:

cjar

Sinopse: Dois alunos participam do clube de debate. Eles são rivais e sabem muito bem discordar um do outro. O futuro dos estudantes está em jogo por causa de um campeonato e os dois resolvem deixar as diferenças de lado, despertando sentimentos.

Como sempre as sinopses da Netflix não ajudam muito, mas o filme me interessou primeiro porque aborda uma temática que não temos habitualmente no Brasil: os campeonatos de debates. Segundo porque traz duas atrizes que eu particularmente gosto bastante – Christina Hendricks e Uzo Aduba – no papel das mães dos protagonistas. Aliás não posso deixar de comentar a minha alegria em assistir Aduba em um papel diferente da “Crazy Eyes” de “The Orange is the new Black”, atuando como uma mulher inteligente e empoderada; nunca duvidei do talento da atriz mas é sempre bom ver a versatilidade dos profissionais.

O jovem casal protagonista – Sami Gayle e Jacob Latimore – também me agradou. Ambos são talentosos e em tempos de campanhas mais que justas a favor da representatividade em Hollywood, é extremamente positivo assistir a um protagonista/núcleo de etnia negra no centro da trama. A Netflix tem batalhado bastante pela inclusão em seus elencos e produções, e lançou inclusive um vídeo sobre isto:

Somados a estes pontos o roteiro do filme é bem feito e nada óbvio. O casal central não é popular, ambos possuem suas famílias chefiadas pelas mães e figuras paternas ausentes (o que é uma realidade para inúmeros jovens em todo o mundo) – seja por um pai que sumiu ou pela escolha da mãe por uma “produção-independente”; num determinado momento temos uma reviravolta completamente inesperada na história e, em tempos de exacerbação da meritocracia, a mensagem final entregue ao telespectador não poderia ser melhor.

  • Barraca do Beijo:

bb

Comparado ao anterior, este filme possui um roteiro mais “bobinho”, mas com um aspecto que julguei interessante. Adaptado do livro de Beth Reekles, o enredo conta a história de Elle (Joey King) e Lee (Joel Courtney), melhores amigos desde o nascimento que criam regras para sua amizade – que não podem ser quebradas. Para arrecadar fundos em um evento de escola, os dois criam uma “Barraca do Beijo”, e usam como atrativo a participação do irmão – galã- mais velho de Lee, Noah (Jacob Elordi) – por quem Elle é apaixonada há muito tempo, mas nunca demonstrou já que é algo contra as regras de Lee. Porém, durante o evento, Noah e Elle se aproximam, estremecendo muito a amizade dos dois.

O filme tem alguns aspectos já batidos mas me agradaram dois pontos principais: a amizade entre os protagonistas – homem e mulher – era o conflito principal e em nenhum momento Lee esteve apaixonado por Elle – o que seria muito clichê; o outro ponto é a vida sexual de Elle não ser romantizada, o que é extremamente importante para a mensagem passada para o público alvo da produção. Elle é uma adolescente que tem desejos, sente atração e é desejada, ela não é uma menina indefesa que entrega sua virgindade como prêmio. Isto me deixou bastante satisfeita.

E de bônus nos aspectos positivos, temos Molly Ringwald – eterna garota de Rosa Chocking – no papel de mãe dos meninos.

  • Sierra Burgess é uma loser:

sb

Agora vamos falar do meu favorito master: Sierra Burgess! Para começar a protagonista é ninguém menos que Shannon Purser – a injustiçada Barb de Stranger Things. A atriz dá vida à Sierra, uma menina fora dos padrões que não se encaixa no colégio que estuda, é filha de um pai escritor-celebridade e uma mãe linda e popular. E apesar de lidar com todas as frustrações que a cercam, Sierra é uma menina feliz, inteligente, auto confiante, e que não se abala pelo bullying que sofre dos colegas.

Não quero falar muito porque vocês precisam assistir então vou citar alguns tópicos – mas poderia citar vários!:

. Noah Centineo no papel de Jamey

. A amizade entre Sierra e Verônica e a forma como em isto é mais importante do que o romance entre Sierra e Jamey.

. A desconstrução da imagem de “perfeição” de Verônica, e a maneira como as frustrações da mãe afeta a vida das filhas.

. O empoderamento feminino e o enaltecimento da auto-estima, presente em tantas passagens, e toda a mensagem positiva passada aos jovens telespectadores

. A cena em que Sierra expõe toda sua vulnerabilidade para o pai.

. As referências literárias ditas em inúmeras cenas.

. Eu já disse Noah Centineo?!

 

Assistam e me contem suas impressões!!! Existem também outras produções ótimas que falarei em posts futuros,  mas se pudesse dar um ponto de partida, seria com esses três filmes. Recomendo!

Fonte vídeos: https://www.youtube.com/user/NewOnNetflix

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *